Minha Escolha:
Procure por Tag:
Nenhum tag.
Fique a Par:

Inauguração do MAI

Eu estive conferindo a inauguração do MAI, o primeiro museu particular do Brasil dedicado a resgatar e preservar a arte indígena brasileira, só pra te contar os detalhes. Ele foi desenvolvido a partir da coleção da guarapuavana Julianna Podolan Martins, que foi adquirindo objetos indígenas em suas viagens de visita a aldeias. A primeira paixão começou em uma tribo no Mato Grosso do Sul em 1997 e de lá pra cá Julianna está sempre com cadeirinha confirmada em expedições a aldeias. Fiquei impressionada com as peças que compõem o acervo, riquíssimas criações em plumas, cerâmica de rara beleza e muitas fotos bem selecionadas. O MAI será fonte de inspiração para muitos criativos artistas joalheiros, como os antenados irmãos Alarcón, que encontrei lá.

A Julianna pretende mudar a imagem do indígena genérico que é ensinado nas escolas, ressaltando a diversidade geográfica, linguística, cultural e física desse povo e suas etnias.

Encontrei por lá, além do prefeito eleito Rafael Greca, as mulheres super ligadas em arte e cultura do Paraná, Maria Inês e valeria Borges da Silveira.

Achei muito interessante o lançado do vinho Índio Rei, da vinícola portuguesa Amora Bravan, algo que sai do lugar comum. O seu novo vinho usou como inspiração para seus rótulos as obras do Museu Nacional Grão Vasco (MNGV), de Viseu. Esse lançamento é em homenagem ao Brasil e aos indígenas brasileiros. O Índio Rei foi idealizado a partir de uma obra do pintor Vasco Fernandes, que pintou a imagem de um indígena pela primeira vez, através da descrição da carta de Pero Vaz de Caminha, em Portugal. Da mesma forma, o enólogo Carlos Silva, assumiu o desafio de criar um vinho que trouxesse a essência do índio brasileiro. O Índio Rei é o vinho oficial do MAI.


© 2023 by Mary Schaffer. Desenvolvido por NScom.